Outro dia estava refletindo que o tempo, em muitas vezes, não passa para as pessoas. E isso não porque não envelhecem afinal, as rugas são dificilmente escondidas. É preciso um pouco de química, cirurgia e habilidade do médico escultor pra que isso aconteça, mas ainda assim, elas irão aparecer uma hora ou outra. Mas quando digo que o tempo não passa é porque elas continuam as mesmas crianças de sempre. E eu admiro isso, é muito bom ver velhos jovens por aí.

Claro que pra tudo existe uma idade, mas eu me pergunto em que momento eu vou achar o vídeo game chato? É muito bom jogar vídeo game. Sim, vai chegar um momento que talvez eu não tenha mais tempo pra ele, que a família que Deus me dará vai exigir de mim um tempo que vai ser uma delicia de ceder, mas vou sempre resgatar no meu HD a delicia que é jogar vídeo game. Porque eu penso assim: quem não gosta do brinquedo eletrônico é possivelmente quem não tem habilidade, destreza e coordenação motora para jogar, deve ser frustrado, só pode (ok! Desculpe a brincadeirinha)!

O vídeo game fascina muito as crianças, os adolescentes, os jovens, os adultos e como comentei acima, até mancebos da cabeça branca como a neve. O mais legal de observar nos “cabeças de neve” é que o vigor físico passa, não a vontade de vigorar. Estar com idade adiantada priva o ser humano de algumas atividades mais violentas como futebol, basquete, skate, surf, MMA, mas não faz a diversão acabar, a não ser que a neve derreta pelo desânimo.

Mas é assim, se a gente não se cuidar, esse brinquedinho cheio de botões (voltando ao assunto vídeo game) leva, pelo menos, uma noite inteira de descanso. É realmente fascinante e uma droga que precisa ser controlada. Nas toplists dos jogos encontramos: pilotagem, tiroteio, ação e aventura. No país do futebol jogamos FIFA (alguns Pro Evolution, vai entender!), mas não esquecemos que também somos o país do MMA e temos o game do UFC.

De todos, o que mais me agrada é mesmo o futebol. Sempre que posso, estou na frente de uma tela estufando as redes com o Ronaldo Fenômeno (Sim, eu mudei a idade dele no jogo, não quero que aposente, joga demais). Jogo um campeonato, dois, três. Mudo diversas vezes minha estratégia, por vezes me divirto em promover grandes clássicos, outras vezes gosto de ser apenas o técnico, pois aí sim, eu quem mando. Escalo os preferidos e ignoro a preferência dos outros. Arrecado dinheiro vendendo jogadores, me desfaço do dinheiro comprando jogadores, administro o estádio e faço o que quero.

 A diretoria me manda mensagens durante a temporada dizendo: “não venda o Adriano (imperador) gostamos muito dele em nosso elenco.” Imediatamente vendo, ele não joga nada e um dirigente qualquer não manda na minha administração. Assim que faço, jogo o meu jogo, faço as minhas vontades porque, quando iniciei, digitei meu nome, escolhi meu time, atualizei meus elencos, escolhi a câmera de minha preferência, a camisa 10 fica sim com o Alex (outro que não quero aposentar), tiro a narração de Nivaldo Prieto e comentários do Neto e mantenho o radar abaixo da tela, ligado. Tudo isso faço ao meu gosto porque jogo no modo Single Player.

Mas não sou o cavaleiro solitário da escuridão da noite, em algumas vezes jogo fechado na parceria com os brothers. É mais divertido, engraçado e exige maior concentração. Afinal não posso limpar o time inteiro com meus dribles, às vezes tenho que atender um “toca aqui”. Essa história de ficar comprando e vendendo jogador muda, o time está fechado. Colocar ou não o Anelka? Preciso consultar o parceiro nesse caso. Pensar mais, ouvir mais e falar menos são as estratégias adotadas no modo de jogo Muliplayer. Essa última frase pareceu de um casamento? Não de um casamento de 25 anos, mas é de um casamento de algumas horas, é preciso respeito. Mas as características necessárias para entrar em um jogo de duplas são parecidas realmente com um relacionamento: respeito, companheirismo, atenção, apoio e fidelidade.

 Jamais retirarei dele a Minha bondade, nem desmentirei a Minha fidelidade. Salmos 89:33

 Esse modo de jogo nos faz pensar e agir diferente, mas não por simples falta de personalidade, muito menos mudança de personalidade. É só o comportamento de quem pensa no bem comum. Apareceu aqui a famosa palavra fidelidade, não necessariamente em um relacionamento de marido e mulher, mas em um relacionamento de ser humano. O modo de jogo Multiplayer proporciona o prazer de desfrutar de um dom raro e dos mais bonitos que conheço que é ser fiel.

 E o porquê de achar que a fidelidade é um dom dos mais bonitos? É o simples fato de termos herdado isso do nosso criador, aquele que nos completa, nos promete e cumpre sempre, sendo fiel por toda a eternidade.

 Chega até os céus, até as nuvens, a Tua fidelidade. Salmos 36:5

 Grande é a tua fidelidade. Lamentações 3:23

Relacionamentos são bons, nos fazem crescer. As coisas não diminuem, só aumentam, da mesma forma que você ensina coisas novas, aprende. Eu te convido para entrar em um relacionamento assim hoje, com Deus. Mas lembre-se, quando entramos em um relacionamento é porque estamos dispostos a viver não mais no modo single player, mas sim no multi-player. Algumas coisas precisarão mudar pra que o crescimento dessa nova fidelidade aconteça.

Porém não aparecerá de mãos vazias perante o Senhor; cada um oferecerá na proporção em que possa dar, segundo a benção que o Senhor seu Deus, lhe houver concedido. Deuteronômio 16:16 e 17

Advertisements