Ônibus eu adoro, já escrevi algumas histórias de situações ocorridas nesses “coletivos de risadas”. Chamo de risadas porque as pessoas e situações que vejo nesse ambiente estreito, curto (as vezes cumprido) e de convívio público só me despertam essa reação. Não costumo ficar estressado, como muitos ficam, aliás, prefiro o bom humor pra todas as situações possíveis da vida.

Mas não deixo de dar razões aos que se estressam, afinal de contas algumas pessoas esquecem que o seu direito acaba onde o do próximo começa. Assim sendo, para eu que dou risada é bom, para os que sofrem do coração, péssimo. Costumo entrar no ônibus em direção ao meu trabalho, sentar no mesmo lugar tradicional (sim, no horário que embarco e na minha linha consigo lugar), abrir um estreito vão nos vidros para ventilação, pois é bem verdade que a maioria só fecha as ventanas, e ali curtir a paisagem até o fim da linha no centro da cidade. Sempre em muita paz e tranqüilidade.

Porém em um terrível dia, um rapaz, jovem, mancebo, guri entrou com seu extraordinário celular novo, com MP3, câmera (de 800 milhões de magapixels), televisão, memory card, entrada para 35 chips e tudo que se possa imaginar de tecnologia MENOS o bendito FONE DE OUVIDO. A música era um funk com letra repetitiva do tipo que não sai da sua cabeça durante o dia todo de trabalho. Acho que as pessoas têm sim o direito de escutar música, porém eu tenho o direito de não querer escutar, assim como todos os outros passageiros que seguiam para seus respectivos trabalhos, mas naquele momento estávamos sendo privados desse direito. 

Hoje, dia 15/06/2011, saio do meu trabalho, passeio a pé em direção a minha academia, faço meus exercícios diários (para ficar com a saúde em dia) e depois de exausto só o que quero é ir para casa em paz. Entro no meu tradicional ônibus, sento no tradicional banco, abro tradicionalmente a janela para poder curtir minha viagem em paz quando de repente um casal de jovens, mancebos, guri e guria entram no ônibus. Com música alta? Não, não… com um lanche para viagem do MC Donald’s. Big Mc, Big Tasty,batata frita e dois refrigerantes. O cheiro incomoda alguns, a mim não tanto, mas eu tenho aquele sentimento de invasão de direitos mais uma vez. Eu até estava com fome, mas não quero ir sentindo o cheiro de comida até o fim da minha viagem. Eu paguei a passagem de ônibus e estou viajando de trailer com cozinha embutida. Como se não bastasse entrar com comida, os dois resolveram abrir todos os pacotes, usar suas pastas de faculdade como mesa e se deliciar ali mesmo. As consequências disso foram alfaces, molhos e saches de catchups no chão. Fizeram sujeira.

Esses dois fatos me fizeram recordar mais uma vez que eu não nasci para receber nada por imposição, como já citado acima, o nosso direito deve ir até onde o do próximo começa. Em todos os momentos da historia da humanidade o livre arbítrio se fez presente, exatamente como um presente. Não somos obrigados a ouvir nada, nem a sentir nada, nem a comer nada se não for da nossa vontade.

Costumo contar uma história que ouvi de um amigo. Um dia ele foi questionado sobre religião e sobre seguir a bíblia. A acusação foi de que ele vivia preso a regras, que não podia fazer diversas coisas por obediência as escrituras de Deus. A resposta foi simples: realmente existe uma prisão, grades que nos separam, mas quem está para o lado de dentro delas é você. O mundo vive aprisionado em vícios, alguém que é alcoólatra não consegue parar de beber, enquanto os que vivem em Deus têm a opção de beber e escolhem por não beber. Um tabagista não consegue parar de fumar, enquanto os que vivem em Deus têm a opção de fumar e escolhem por não fumar. Viver com Deus é ter essa liberdade de escolha, escolher por andar na vontade que um Pai amoroso nos preparou é ser livre da escravidão do mundo, já pensou em poder fazer escolhas diante de um mundo que te obriga a tudo? Eu lhe convido a viver livre em Deus.

Obedecerei constantemente a tua lei, para todo o sempre. Andarei em verdadeira liberdade, pois tenho buscado os teus preceitos.” Salmo 119:44-45

 

Advertisements