Pra um garoto da cidade que vive em meio a avenidas, ruas, carros, casas firmes e seguras pelo concreto o ambiente verde é sempre uma novidade que trás surpresas. A mata é conhecida só de buscar a bola no terreno baldio perto do campinho. Quando um jovem que vive assim se depara com a imensa floresta, cheia de animais que variam dos minúsculos insetos voadores até os gigantescos mamíferos, a sensação de estar perdido é aterrorizante.

Assim estou eu, perdido na floresta. Sozinho com cede e fome meu destino é o acampamento onde se encontra o grupo que eu estava acompanhando. Nesse momento você questiona: mas porque você já não está com os outros? Eu sei lá, só queria dar uma voltinha para descontrair, pois o destino eram apenas alguns metros a frente pra escutar melhor a natureza. Percebendo estar perdido nesse momento as tentativas são de localizar-me. Pega a primeira arvore de pau de graúna de jacarandá a direta, depois a segunda maçaranduba a esquerda e finalmente, encontrei. Encontrei uma píton de 20 metros.

Brincadeira, era só uma cobra coral miúda e inofensiva. Estar perdido na floresta não é nada fácil. Mas não sou completamente inexperiente, algumas ferramentas eu tenho  afinal de contas eu li “O Livro Proibido para Garotos” (recomendo a todos do sexo masculino, para as meninas leiam “O Livro das Garotas Audaciosas”). Com essa importante informação consegui uma fogueira que me manteria aquecido e protegido dos animais selvagens por toda a noite.

Mas pensei comigo, eu não quero ficar a noite toda aqui, quero encontrar o caminho de volta. Com esse pensamento genial resolvo então sair, entro na mata com coragem, destreza, meu canivete, sapatos preparados para o piso úmido, repelente, lanterna, bussola (to dizendo, leiam o livro!) e o objetivo traçado. Escolho ir pela direita, depois de muitas voltas, esquinas de bambu, rotatórias de troncos e muitas luzes dos vagalumes finalmente vejo outra luz. Essa luz é muito forte, finalmente minha salvação, pois deve ser o acampamento do grupo. Corro em direção a essa luz, tropeço num tronco, deslizo alguns metros no barro e todo sujo de lama me deparo com a fogueira que há poucas horas eu mesmo tinha ascendido.

Saí confiante no meio da mata, com aparatos infinitos me dando confiança na estratégia. Estratégia essa que eu mesmo tracei, mapa de fuga do matagal que eu mesmo criei. Quem sou eu? O especialista, praticamente um Gps com pernas. O guia quatro rodas aqui voltou sem o canivete, que caiu no matagal, as roupas sujas, a botina “enlamada” e muito cansado.

Novamente saí e dessa vez por outro caminho, agora pela esquerda. Confiante novamente, mas sem meu canivete, viro mais umas esquinas verdes, desvio de um ou outro inseto, sigo os vagalumes e encontro a luz, aquela forte que chamo de porto seguro. Corro em direção a ela e quando chego? A mesma fogueira de horas atrás.  

Nessa ultima viagem o que consegui, além de ter perdido mais um pouco das forças e meu canivete, foi perder minha arma mortal contra insetos. Terceira tentativa, agora por outro lado. Corro na mata, desvio dos obstáculos, cipós, bichos, a chuva me encontra e tudo fica ainda mais difícil. Agora meu desespero aumenta, minhas forças estão acabando, mas uma luz no fim do caminho me da esperanças, e agora chegarei a luz? Sim consegui, quase esgotado finalmente chego na luz. Claro que era aquela que eu mesmo ascendi e sem dúvidas não me deixaria em paz. Nessa terceira tentativa, traçando a terceira rota eu cheguei à minha fogueira sem a minha lanterna. Agora sim completamente desarmado.

Todos os caminhos, não importando se a saída era pela dianteira, traseira, lateral esquerda, lateral direita, por cima das árvores ou até por baixo da terra como uma toupeira me levaram ao mesmo lugar, o encontro com a fogueira. Dei tantas voltas que a cada encontro com a luz da chama eu estava em um estado. Primeiro muito motivado, depois cansado e no fim esgotado, derrotado pela natureza.

Andamos por esse mundo sempre com o objetivo de ter o melhor pra nós, claro. Buscamos a Deus sempre, cada um de uma forma, cada um com sua religião. E o que ouvimos inúmeras vezes é “todos os caminhos levam a Deus”. Inúmeras teorias contrariam isso e inclusive me inspirei nesse texto quando vi um pregador dizer: “nem todos os caminhos levam a Deus”. Como diria um amigo meu com sotaque carioca: “DIXCORDO”.

Discordo da tese quando leio.

Eis que ele vem com as nuvens e todo olho o verá, até mesmo aqueles que transpassaram; e todos os povos da terra se lamentarão por causa dele. Assim será! Amém. Apocalipse 1:7

Não importa o que façamos, a verdade é que todos os caminhos nos levarão ao encontro com Deus. O mundo acreditando ou não, vivendo por Ele ou não o encontro com o Mestre será inevitável. Tudo está sendo encaminhado, o terreno está sendo preparado para o grande momento, alias acredito que o palco já está realmente quase pronto, o “show” vai começar muito em breve. Desvie você das palmeiras indo pela direita, ou cuide para não esbarrar nos cipós pela esquerda seu destino final será sempre como o da história que acabo de contar, encontraremos sempre a luz divina de Deus.

A questão é que assim como a historia narrada o caminho que você percorre te leva a esse encontro em variadas condições e eu te pergunto: como pretende chegar ao encontro com o Salvador? Cansado, desmotivado e despreparado o encontro com a luz só gera um resultado que é a destruição pelo fogo. A falta de preparo ao encontro com o Mestre irá gerar uma reação de pavor, medo e temor pela vida.

Eles gritavam às montanhas e as rochas: “Caiam sobre nós e esconda-nos da face daquele que está assentado no trono da ira do Cordeiro. Pois chegou o dia da ira deles; e quem poderá suportar? Apocalipse 6:16 e 17

Porém forte alimentado pela sua palavra e cheio do espírito santo protetor em seu coração esse encontro será marcado por olhar no olho de Jesus Cristo.

Naquele dia dirão: “Este é nosso Deus; nós confiamos nEle, e Ele nos salvou. Este é o Senhor, nós confiamos nEle; exultemos e alegremo-nos, pois ele nos salvou”. Isaias 25:9

O Senhor Deus é o sol e escudo; o Senhor concede favor e honra; não recusa nenhum bem aos que vivem com integridade. Salmo 84:11

Ao mesmo tempo em que Deus é fogo consumidor para os ímpios, é para o Seu povo sol e escudo. Vou ao encontro com Deus, pois todos os caminhos levam a Ele, mas com cuidado para não perder a bussola (O Espírito Santo), com repelente contra todos os ataques voadores e terrestres, água e pão para chegar fortalecido no grande dia. Que o seu encontro com Deus seja como sonho pra mim, que possamos estar em um único abraço em família, envoltos na magnitude da Graça divina na altura das nuvens e descansados.    

Advertisements