Dorme, acorda.

– Pai, já é sexta-feira? Não filhinha, é segunda. Ainda faltam alguns dias.  

Dorme e acorda.

– Pai, já é sexta-feira? Não filhinha, é terça-feira. Ainda falta mais um pouco.

Dorme e acorda.

– Pai falta muito pra sexta-feira? Hoje é quarta-feira filhinha, só mais amanhã aí       vem a sexta-feira.

Dorme acorda.

– Pai amanhã que é sexta-feira? Isso filhinha, já é amanhã.

Dorme e acorda.

– Pai, é hoje? Sim filhinha é hoje.

– Viva, eu não agüentava mais esperar!

Essa foi a semana na casa do meu irmão. Minha sobrinha linda, dormindo e acordando pensando na sexta-feira, pois é o dia de pegar a estrada e conhecer a tão fantástica paisagem com muito sol e água que se vê na televisão, a praia. Que loucura foi essa tão sonhada sexta-feira, a avó preocupada com todas as coisas pra levar, o avô com as coisas que vai aprontar com a neta, a mamãe e o papai em meio a preocupação de arrumar as malas, separar a comida, tudo que a filhinha amada precisa e ainda sonhando com o momento que aquele pezinho miúdo vai, pela primeira vez, sentir a suavidade da areia quente e o jorrar sem fim de água e sal que as ondas trazem. O que levar? Vamos precisar de protetor solar, chinelos, óculos e bóias. Bóias de braço com desenhos da “Moranguinho”, de cintura com o tradicional pato que envolve e protege a dianteira e de baleia pra família toda subir em cima, essa a mais cara e difícil de achar, vai dar trabalho. E o que mais? Faltou alguma coisa? Sim, a câmera. Todos os momentos que serão vividos ali jamais poderão ser esquecidos, é preciso registrar. Fotos, filmes, um cartão de memória extra, se for o caso descarrega no notebook, e mais momentos imperdíveis serão registrados. E o carro será que está pronto? Abasteceram, calibraram os pneus, os cintos estão ajustados.

 

– Alô é do DETRAN?

– Sim.

– Criança de 5 anos viaja na frente com cadeirinha, segura pelo cinto de três pontas?

– Em caso de viagem o correto é atrás.

– Com o cinto de duas pontas?

– Isso mesmo.

– Ah ok, obrigado!

 (informação importante).

Enquanto essa correria toda acontece, alguém que a semana toda perguntou se já era sexta-feira está dentro do carro a pelo menos meia hora, preza aos cintos e gritando: vamos gente, o que estão esperando? A ansiedade era tanto que eu tive que entrar no carro pra poder me despedir, beijei e lembrei a ela o quanto a amo. Depois de tanta confusão, arrumação, ansiedade e corações saindo pela boca, a hora chegou. O carro ligou, a marcha engatou e eles se foram. É nessa viagem eu não pude ir.

Fechei o portão, entrei em casa e espera… não estou ouvindo o Thiaguinho cantar no quarto. Ah sim, ele já está na praia desde ontem. Quase sábado, pelo menos dessa vez a televisão vai ficar desligada o tempo todo. Nesse momento o barulho que mais escuto é da geladeira, ela não é das mais novas e dependendo do humor as vezes parece uma Kombi 1976. E o que vejo? Nada que se mecha, nem mesmo o ponteiro do relógio, pois é digital. O pinheirinho montado na sala para o natal está com as luzes desligadas, sempre quem liga é a mãe. Os passarinhos estão quietos, não tem ninguém pra conversar com eles e confesso que não sei qual língua falam, minha mãe sabe! Não duvidem. Não escuto nem mesmo os latidos das bolas de pelo, lika e tyta estão mudas. O rádio da cozinha que fica o tempo todo ligado, graças a Deus só na Novo Tempo, também está quietinho. Não tem barulho de panela e não escuto ninguém perguntar, o que será que eu faço pra janta? No quintal as galinhas dormem, um passarinho visitante ou outro pousa, mas não fica muito tempo e logo se vai. É, o silêncio da casa assusta. Parece que estou narrando tudo com cara triste de criança sozinha sem ninguém pra brincar? Não, tem uma pizza gigante na geladeira, refrigerante a vontade e brigadeiro. Eu nem gosto da luz do pinheirinho gritando no meu rosto, desligado é um descanso para minhas vistas. Minhas camisas para ir a igreja amanhã cedo estão prontas, a comida do canil abastecida, dos passarinhos também, e quando digo passarinhos incluo as galinhas, enfim, está tudo sob controle. O silêncio me faz bem, me concede descanso e posso escrever sem interrupções.

 “O senhor é meu pastor e nada me faltará” Salmos 23:1

Está tudo sob controle porque sei que antes de viajar minha família também pensou em mim e deixou tudo preparado. As coisas estão na medida, com certeza antes da minha dispensa ficar vazia, da água acabar, da luz ser cortada por falta de pagamento, da geladeira com barulho de Kombi parar de funcionar, antes que eu tome a iniciativa de levantar do meu conforto e ascender a árvore de natal ou então ir até lá fora conversar com os passarinhos, antes que mais uma noite dessas chegue e eu fique sozinho outra vez no silêncio, eles voltarão para compartilhar comigo de todas essas responsabilidades fantásticas que uma família vive junta.      

Não pense que o seu alimento também vai acabar. Sua salvação não é comprometida pela falta de água que assola o mundo, ou pelo excesso de água que vem de um tsunami. O sofrimento vivido aqui não vai acabar com você, pois não está aqui esquecido. Um Deus que te ama e te criou não te abandonou, foi ali e já volta. Volta antes de tudo tornar-se impossível de suportar. Conhece tua vida e preparou suas forças pelo tempo necessário, a água e o alimento não faltarão, está tudo preparado na medida. Espera no Senhor, já posso ouvir o ronco do carro ali na esquina… Ele está chegando.

Amém!

Advertisements